Segunda-feira, 30 de Novembro de 2009

o número um: chiquinho

 

 



Muito prazer



Chiquinho do CeuBinho da UnB

Ele chegou a Sobradinho em 1969, não tem casa própria, não tem carro, não frequenta a alta sociedade intelectual, mas é um dos livreiros mais respeitados de Brasília, principalmente por alunos e ex-alunos da Universidade de Brasília (UnB), onde tem seu bunker literário e acadêmico há 34 anos. Francisco Joaquim de Carvalho gosta de dizer que vendeu livros para três gerações da comunidade universitária. Piauiense, de Picos, Chiquinho, 49 anos, tem uma conversa tranquila mesmo falando de assuntos áridos. Gosta de citar escritores, de Marceu Proust a Jack Kerouac, nos bate-papos, como este com o Correio. Perguntado sobre o fiasco da Feira do Livro, foi direto: “Falta profissionalismo”.


Livro, sinônimo de livre


No ramo há 34 anos, Francisco Joaquim critica o atendimento impessoal das megalivrarias e defende a tradição dos livreiros

José Carlos Vieira
Nahima Maciel

Daniel Ferreira/CB/D.A Press - 26/8/09
 
 


Você é da época em que os estudantes jogavam livros nos policiais que ocupavam o câmpus da UnB, no fim dos anos 1970. O perfil dos estudantes mudou de lá para cá?


Mudou e muito. Hoje em dia, há menos interesse pela leitura, pela realidade do país. A questão da internet levou o estudante a esquecer o livro real. As coisas estão muito vazias, ocas. E isso é um atraso muito grande. Os meninos do anos 1970 e 1980 tinham uma demanda de leitura muito maior do que hoje. Atualmente, os jovens preferem o comodismo e, às vezes, o superficialismo da internet. Quando entram na universidade eles entram muito crus, com pouca bagagem literária. Mas existem aqueles que têm uma tradição de leitura herdada dos pais.

Quais são os vilões responsáveis pelo fiasco da Feira do Livro?


A falta de planejamento, de profissionalismo, o fim dos livreiros tradicionais, como o pessoal da Casa do Livro, que fechou as portas, o Ivan da Presença, do Quiosque Cultural… Hoje temos apenas as megalivrarias, verdadeiros supermercados. O livreiro de antigamente — isso não quer dizer ultrapassado — está em extinção por uma questão de mercado.

O que precisa ser feito para salvar a feira? Tirá-la das mãos da Secretaria da Cultura?


Acho que é necessário uma parceria real entre todos os segmentos. Que se faça um planejamento de longo prazo. Porque fazendo tudo em cima da hora não dá nada certo. É até uma irresponsabilidade. O nome do evento de Brasília fica queimado em outras feiras espalhadas pelo país, quase todas mais atrativas que a nossa. A feira do ano passado já foi desastrosa, não podemos repetir os mesmos erros, o mesmo fiasco nos 50 anos de Brasília em 2010. Nossa cidade precisa continuar sendo a capital da cultura e da leitura. Ando preocupado com a tradição, do resgate das livrarias. Hoje não se tem mais livreiros, existem apenas balconistas, não existe mais aquele atendimento personalizado. Uma pessoa vai à minha livraria e pede um Jack Kerouac, ou Roland Barthes, ou Marcel Proust… nós sabemos atender e damos indicações sobre livros que têm a ver com o assunto. Isso está faltando, está em extinção, repito.

Por que livros independentes não têm espaço nas estantes das grandes livrarias?


É uma política dos grandes livreiros, mas há também o desinteresse dos vendedores em ler os trabalhos que estão expostos. Simplesmente os jogam na prateleira, não sabem nem do que se trata. Os vendedores são incapazes de ler a orelha de um livro, como vão oferecê-los ao público? Uma das coisas mais importantes no nosso ramo é ter conhecimento do produto que se vende.

Você sabe o que oferecer aos seus clientes. Quando os conhece há um tempo, é fácil. Mas e com um desconhecido, o que você observa antes de oferecer um livro?


Primeiro, é necessário analisar o discurso do cliente e, em, seguida, descobrir o seu perfil. É um feeling adquirido em décadas nesse doce negócio de livros. Por exemplo, o cliente procura um livro de filosofia e, rapidamente, lhe ofereço cinco obras ligadas ao assunto. Há um engrandecimento bibliográfico. Essa é a diferença por eu estar no mercado há tanto tempo. Esse jeito e esse gosto ao livro fazem a diferença.

Você lê muito? Quanto?


Antigamente, quando jovem, lia muito mais do que hoje. Lia muita biografia, ficção científica, Machado de Assis, Lima Barreto. Hoje, por absoluta falta de tempo, vejo as resenhas dos livros que ofereço e revistas como a Cult, Bravo… para me informar das novas tendências do mercado.

Quais são os três livros que marcaram sua vida?


O Triste fim de Policarpo Quaresma, de Lima Barreto; Os ratos, de Dyonélio Machado; e Grande Sertão Veredas, de Guimarães Rosa. Mas há outros autores importantes que aprecio, como Moacyr Scliar.

E os escritores de Brasília, quais os que você admira?


Poeticamente falando, gosto muito do trabalho do Paulo Kauim. Também do poeta Francisco Kaq.

Se você fosse ministro da Educação, o que faria para o brasileiro ler mais?


Uma bolsa-leitura para as populações mais carentes do país. Daria mais respeito à leitura, cobraria investimentos pesados em educação. O governo precisa entrar muito firme nesse tema, porque o que estão fazendo hoje em dia é muito pouco em todas as esferas governamentais. São trabalhos precários.

Vender livro dá prejuízo?


Não, dá prazer. Só sei fazer isso: vender livros, dar indicações bibliográficas. Nada mais gratificante do que indicar um livro de que a pessoa necessita em determinado momento. A pessoa lhe ficará grata eternamente.

A maioria dos livreiros da cidade mudou de ramo depois da chegada das grandes lojas. Você não. Qual o segredo?


Faço um trabalho silencioso, de formiga mesmo. Por estar dentro da universidade, tenho mais condições de oferecer meus livros a um público mais seletivo. Mesmo assim, tenho muito medo de ser devorado pelas gigantes. A concorrência hoje é muito intensa. Acho que minha sobrevivência deve-se também aos 34 anos de trabalho nessa área, sempre respeitando e tratando o leitor como um indivíduo único. Com suas próprias aspirações. Por exemplo, uma pessoa chega à sua livraria e pede Raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Holanda, você indica também Formação econômica do Brasil, de Celso Furtado, e Grande sertão veredas, de Guimarães Rosa. A pessoa sai muito feliz por essa cumplicidade, isso é que faz a diferença. Falamos a mesma língua.

 

 

 

 


publicado por paulokauim às 04:07
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 28 de Novembro de 2009

fim de feira

 

 

28 de novembro ( sábado )

 

 

Encontro com o Autor

 

Lançamento de livros

 


O Filho da Revolução,


Filhos da Revolução

 

e Demorô

 

 


Carlos Marcelo,
Patrique Salvatti
e Paulo Kauim

 

 

 


CAFÉ LITERÁRIO
CASSIANO NUNES

FEIRA DO LIVRO DE BRASÍLIA

 

 

 

20:30 as 22:00
 

 


publicado por paulokauim às 18:48
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 21 de Novembro de 2009

abertura da exposição fotográfica dos alunos da escola parque 210 norte

 

 

 

duas coisas

 

levarei comigo:

 

o amor e o trabalho

 

 

 

 

valeu moçada!

 

vocês detonaram!

 

énoise!

 

 

 

 

.


publicado por paulokauim às 03:19
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 20 de Novembro de 2009

20 de novembro

 

 

mar

re

volto

um

r

astro

ar

rasta

as

on

das

na

vi

os

n e g r e i r o s

 

 

 

jorge amâncio

do livro negrojorgen

editora thesaurus

brasília - áfrica - brasil

 

 

 


publicado por paulokauim às 03:44
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 14 de Novembro de 2009

fotografias

 

 

 

 

alunos da 5 e 6 séries

da escola parque 210 norte

realizam exposição

com os trabalhos criados

na oficina de fotografia

 

 

parabéns

pra

vocês

 

 

 

.


publicado por paulokauim às 04:47
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 9 de Novembro de 2009

BALADA PERDIDA LITERÁRIA

 

 

 

 

 

 

 

TODOS OS CONVIDADOS

 

 

 


       Adrienne Myrtes, Allan Sieber, Analu Andriguetti, Antonio Cadengue, Antonio Prata, Binho, Carlos Herculano Lopes, Chacal, Claudiney Ferreira, Claudio Willer, Coletivo Muito Barulho por Nada, Coletivo Poesia Maloqueirista, Coletivo Urros Masculinos, Confraria do Vento, Dani Umpi, Edney Silvestre, Edson Kumasaka, Fabiana Cozza, Fabrício Corsaletti, Fernando Morais, Ferréz, Flu, Francisco Alvim, Frederico Barbosa, Heloísa Buarque de Hollanda, Hugo Guimarães, Ismael Caneppele, Ítalo Moriconi, Ivana Arruda Leite, Ivan Marques, Jesús Ernesto Parra, João Melo, João Gilberto Noll, João Paulo Cuenca, João Silvério Trevisan, João Ubaldo Ribeiro, Joca Reiners Terron, Jommard Muniz de Britto, José Luís Peixoto, Léo Felipe Campos, Lieli Loures, Lira Neto, Lulina, Lygia Fagundes Telles, Manuel da Costa Pinto, Marcelo Coelho, Marcelo Moutinho, Márcio Souza, Maria Alice Amorim, Maria José Silveira, Maria Rezende, Mário Prata, Matthew Shirts, Micheliny Verunsck, Michel Laub, Michel Melamed, Naruna Costa, Nelson de Oliveira, Noemi Jaffe, Nicolas Behr, Olívia Araújo, Paulo Scott, Pedro Américo, Pepetela, Porcas Borboletas, Raimundo Carrero, Ramon Mello, Reginaldo Pujol Filho, Reinaldo Moraes, Rodrigo Garcia Lopes, Rodrigo Lacerda, Rodrigo Penna, Ronaldo Bressane, Rubi, Ruy Mascarenhas, Samuel Leon, Santiago Nazarian, Sérgio Vaz, Sidney Rocha, Vitor Araújo e Xico Sá são os convidados deste ano para a quarta edição da Balada Literária, que acontecerá de 19 a 22 de novembro e saravá!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


publicado por paulokauim às 02:05
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 2 de Novembro de 2009

poesia concreta aplicativo neurótico

 

 

 

 

poesia

 

concreta

 

aplicativo

 

neurótico

 

 


publicado por paulokauim às 17:05
link do post | comentar | favorito
|

.blogosfera

contador grátis

.pesquisar

 

.Agosto 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. nossa pista de sk8 não va...

. sonata em d

. meu amigo

. no existen los dioses

. 2014 começa na porrada de...

. nelson luiz

. cubahia

. semente

. outro brasil

. vida

.arquivos

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Outubro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Carioca de (al)gema!

. Graffitis - Discussão

. Rua da Feira

. Tropecei na rede #003

.links

.mim é índio com negro com branco

blogs SAPO

.subscrever feeds