Quinta-feira, 24 de Maio de 2012

 

 

 

 André Vallias é uma das mais importantes figuras da cena brasileira da poesia experimental/visual/digital. No site Errática (www.erratica.com.br) ele vem divulgando relevantes criações, recriações (traduções) e reflexões - inclusive as de sua própria lavra - que têm como eixo a poesia-invenção, em apurado e arrojado (web-)design. 


Sua dedicação à tradução-arte obteve um inegável salto de qualidade (e quantidade) no enfrentamento sistemático com a poesia do grande poetaHeinrich Heine (o judeu-alemão esquerdista que deu, para Nietzche, "a ideia suprema de poeta lírico" - acrescentando este, no Ecce Homo, que "ainda se dirá que Heine e eu fomos os grandes artistas da língua alemã").  

O livro Heine, hein? – Poeta dos contrários (São Paulo: Perspectiva, 2011. Signos 53, 544 páginas) foi considerado por Augusto de Campos "um dos mais significativos projetos literários brasileiros dos últimos anos de que tenho conhecimento". Além de pontuar a importância de Heine ("ao lado de Goethe e de Rilke (...) um dos maiores poetas de língua alemã de todos os tempos"), Augusto frisa a "alta qualidade estética das traduções", valorizando, ainda, os demais itens que enriquecem o volume, como o estudo introdutório e a tradução de seus afiados textos em prosa.

Através da leitura comentada – ilustrada e sonorizada – de poemas e textos, será oferecido ao público brasiliense um mosaico instigante e variado da produção de Heine, apresentado comoprimeiro poeta da Modernidade. Também serão mostrados alguns dos Lieder que o tornaram um dos autores mais musicados do Ocidente.

Compareçamos, pois (é poesia)!

 

 

 

 

 

 

 


publicado por paulokauim às 03:12
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 19 de Maio de 2012

arte em aberto - movimento II

 

 

 

ARTE EM ABERTO – 2ª sequência
 
Programação de palestras:
 
 
 
21/5 (seg)       FERNANDO MARQUES           Oswald de Andrade: um teatro fora de  hora                                                                                                              
 
25/5 (sex)       LUÍS ROBERTO PINHEIRO     Continuidade e ruptura na música
                                                                       moderna e contemporânea
 
1/6 (sex)         L. C. VINHOLES                         "Arte em aberto": atemporística,   
aespacial,  atemática (comentários e  sobre atividades em música,  poesia e arte)
 
13/6 (qua)       PAULO SIQUEIRA /                Augusto dos Anjos: poesia e problema
                        REGINALDO GONTIJO            (centenário de Eu);apresentação do                                                                    
                                                      ensaio videofotográfico O anjo Augusto, de R. Gontijo
 
18/6 (seg)       PAULO KAUIM                          15 anos sem cérebro ou Science em
expansão
 
29/6 (sex)       SEVERINO FRANCISCO           Tropicalismo e Pós-tropicalismo (relação                                                        
                                                                        com cinema e arte de vanguarda)
.

publicado por paulokauim às 00:31
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 16 de Maio de 2012

pós-poesia concreta - francisco k

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Projeto Arte em Aberto
convida para a palestra sobre poesia concreta, com Francisco K
encerrando a 1ª etapa de seu ciclo inaugural (a 2ª etapa começará logo na semana seguinte), 
na Livraria Sebinho (406 Norte, Bl. C),
às 19 h. (e pouco) do dia 14 de maio (segunda):
 
 
        palestrA
 
        POESIA
                                CONCRETA
 
                        (audio(re))vista
                                                    hoje
 
O palestrante e pretenso poeta, não sem alguma irritação com o epíteto de "concretista" que lhe é insistentemente atirado, resolve revidar com a questão: Was ist das – die Konkrete Dichtung? ("O que é isto – a Poesia Concreta?")
 
E intenta fazê-lo, sem dúvida, como alguém que foi formado nessa poética: tanto por seus poemas, como por suas proposições crítico-teóricas – e, também crucialmente, por seu modo de olhar (e traduzir) a tradição.
 
É sabido que a "poesia visual" existe, se não já nos primórdios da escrita, ao menos desde o período helenístico. Qual, então, a real "novidade" trazida pela poesia concreta, esse movimento coletivo e internacional dos anos 1950 e 60, que tem no Brasil seu mais rico e consistente centro irradiador?
 
A ideia de transpor para a forma escrita (visual) características do objeto/conceito denotado verbalmente corresponde a uma proposta poética ingênua (a "falácia icônica")? Como avaliar, no campo da poesia, a força e as limitações dos conceitos de ícone, de ideograma e de isomorfia ("conflito de fundo-e-forma em busca de identificação")? O que dizer, ainda, dos embates concretos de analogia e ironia?
 
Como transcorre, no tempo, a poética concreta (brasileira)? Como o plano piloto para poesia concreta (1958) sintetiza todo um percurso de pesquisas coletivas – e por que esse programa é sistematicamente descumprido nos lances criativos desses mesmos poetas que lhe sucedem?
 
Como considerar os movimentos que, no Brasil, surgem em oposição à poesia concreta – ou o que dizer da recepção (e seus desdobramentos) ao movimento no exterior?
 
E, afinal, como fica a poesia concreta (ou seu legado) no novo ambiente – digital e eletrônico – de trocas incessantes de textos + sons + imagens, num cenário aceleradamente mutante e saturado de informações?
 
[O palestrante se dará por satisfeito se conseguir responder, fazendo-se entendido, ao menos algumas dessas questões... para isso vai contar, é vero, com o poderoso auxílio do PowerPoint.]
 
Francisco K é poeta e ensaísta, com 5 livros de poesia publicados, além de Poesia? – e outras perguntas (7 Letras, 2011), coletânea de textos críticos (vários dos quais tratam da poesia e dos poetas concretos). Escreveu dissertação sobre o filme Limite, de Mário Peixoto.

publicado por paulokauim às 00:08
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 14 de Maio de 2012

um dia portugal vai conhecer o rubi

 

 

 

 

 

 

 

 

A ARTE DO RUBI RACHA OS MUROS DA PRISÃO

 

 

 

É uma maravilha viver num país onde o Chico Buarque publica livros, Caetano Veloso inventa filme, Luiz Melodia, Seu Jorge e Paulo Miklos ( cantores do rádio feito Chico e Caetano )

atuam no cinema e Rubi nos arrasta sobre as tábuas do barraco de Dioniso em seu ditirambo. Em Consigo, o rapsodo canta e representa para nos livrar do meteoro em seu cordel desplugado. O corpo, a voz, o instrumento, o texto, o canto, a melodia, o cenário, a luz, a interpretação, a representação, a performance estão em mestiçagem nessa espetacularidade onde o Rubi inicia-se no território do artista-pensador que erige a sua própria obra nos atirando numa geografia do sensível. Os textos do Gero Camilo transformam-se em travesseiros para suportar a dor. Consigo é um iPod coletivo. Aqui o artista Rubi ( o ator e o cantor ) unem-se para rachar os muros de todas as prisões. A arte inter-semiótica do Rubi pisa com sua voz de um deus de carne sobre os livros para reverenciá-los em cena. Na nossa primeira caverna no início da humanidade, o canto, o desenho, o poema e a dança estavam amalgamados. Consigo consegue de forma atemporal cicatrizar as paredes das cavernas do nosso tempo dentro de cada um de nós. Viva o produtor Adauto Soares, a Cantora Célia Porto e o multi-artista Diego Azambuja ( sem eles, a nossa cidade ficaria sem realizar mais uma epifania com o Rubi). Evoeros.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.


publicado por paulokauim às 05:27
link do post | comentar | favorito
|

.blogosfera

contador grátis

.pesquisar

 

.Agosto 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. nossa pista de sk8 não va...

. sonata em d

. meu amigo

. no existen los dioses

. 2014 começa na porrada de...

. nelson luiz

. cubahia

. semente

. outro brasil

. vida

.arquivos

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Outubro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Carioca de (al)gema!

. Graffitis - Discussão

. Rua da Feira

. Tropecei na rede #003

.links

.mim é índio com negro com branco


. ver perfil

. seguir perfil

. 3 seguidores

SAPO Blogs

.subscrever feeds