Quinta-feira, 22 de Maio de 2008

AQUILES ESCREVE SOBRE O CANTOR BRASILEIRO RUBI

 

 

 

O tesouro musical de Rubi

O violão de aço se junta ao de náilon e os dois, dedilhando acordes, aguardam Rubi perguntar cantando os versos de “De Onde Vem a Calma” (Marcelo Camelo): “De onde vem a calma daquele cara?” Pronto! Começou Paisagem Humana (selo Sete Sóis, em parceria com a gravadora Eldorado, com apoio da Petrobras), álbum que em tudo resplandece simplicidade. Nele, tudo é perfeita sincronia entre a musica brasileira contemporânea e a poética do mundo, e lá todas se ajeitam e se aninham. “Minha pátria é minha língua.” Nossa sorte é não ouvir nada à meia-língua nos sons do Brasil. Língua/música inteira e bela, inculta e tagarela.
Se Camelo dá seu dom a primeira faixa, todas as outras que se seguem trazem impressas a fogo a marca de talentos que fazem da música brasileira a diversificação em forma de notas e acordes; de poesia e ritmo.
Rubi não se presta a excessos, nem a futilidades. Vai ao ponto, ao centro da mosca que se deixa atingir docilmente. O charme do cantor é eficaz para cortejar e lançar olhares sensuais em direção às canções escolhidas, que bem merecem o tratamento irresistível que lhes dá a voz inclassificável que só ele tem.
Junto a outros, como Estevan Sinkovitz, Caio Andrade, Luciano Barros, Luiz Gayotto, Rovilson Paschoal, Chandra Lacombe e Kléber Albuquerque, Rubi se faz criador de nuances instrumentais. E sobre esses arranjos, cheios de força, ele ajunta cada sílaba e as revela em interpretações de canto cheio de magia e de feitiço.
E a palavra se solta em meio à vida aberta. E a voz recria o ofício. E a garganta se faz profunda, intrigante. E as cordas vocais vibram febris, instigantes. A fera tem porte indócil. Garras de felino. Corpo de homem. Alma doída de menino; moço doido, leviano. Coração dilacerado. Sensibilidade ensandecida. Boca entreaberta. Pernas no mundo. Pés descalços. Braços sem músculos. Dedos de prender, mãos de soltar, unhas de coçar, lágrimas de escorrer. Fortaleza de sentir. Peito de escancarar. Dentes de morder, lábios de beijar. A dor da morte. A festa da vida.
A voz de Rubi é doce quando quer, suave quando carece e forte se assim necessitar. Grave por vezes, aguda quase sempre. Inusitada, especial, sempre. Bela e afinada voz tem Rubi – assim é, faz dela o que quer. Brincar de gato e sapato com ela é o modo que tem de revelar seu mundo, de transbordar sua afeição à vida, de sentir prazer por ter gente querida ao redor.
A força do trabalho está no acerto dos arranjos que permitem que Rubi venha da voz apenas – densamente protegida por guitarra, contrabaixo, percussão, violões de aço, de náilon e de sete cordas e bandolim.
Marcante também em Rubi é seu vasto horizonte a descortinar músicas que lhes cabem na voz feito luva macia: “Santana” (João Carlos e Júnio Barreto); “Gira de Menino” (Ceumar e Sérgio Pererê); “A Ilusão da Casa” (Vitor Ramil); “Parede-meia” (Kleber Albuquerque); “Inverno” (José Miguel Wisnik); “Cabimento” (Kléber Albuquerque e Cláudia D’Oreyl); “ Você Me Chamou de Nego” (Gasolina); “Fica Comigo Esta Noite” (Adelino Moreira e Nelson Gonçalves); “Infinito” (Gero Camilo); “Dia de Estrelas” (Kléber Albuquerque e Élio Camalte); “Mar interior” (Maria Tereza); “Ai” (Kléber Albuquerque e Tata Fernandes); “Tudo de Novo” (Roseli Martins); “Eleva dor” (André Abujamra); “Pra Eu Parar de Me Doer” (Milton Nascimento e Fernando Brant); “Por Tudo Que For” (Lobão e Ricardo Vilhena).
A música cantada e arranjada por Rubi e seus parceiros traz belas paisagens, letras, imagens e ritmos fortes, levadas de desabotoar os botões da roupa, desfazer as tranças, despentear o topete...
A saudade pode matar a gente, morena. Mas da vida só se pressente o verso sem reverso, da chuva só se sabe a poça, do tempo só se sente o passo rápido, da morte só se nota o passo ávido em chegar, em pegar, arrastar, atazanar.
Mas a vida vive de parecer que não se mexe. Dissimulada, faz valer seu jeito arredio de ser, tentando provar que não é o que quer ser.
Como a vida, música espanta, mostra a cor.. Rubi.

 


publicado por paulokauim às 05:29
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
De verônica Fragoso a 30 de Junho de 2008 às 14:28
Lindo seu Blog! O comentário sobre o Rubi está fantástico, porque ele é realmente encantador.Um abraço


Comentar post

.blogosfera

contador grátis

.pesquisar

 

.Agosto 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. nossa pista de sk8 não va...

. sonata em d

. meu amigo

. no existen los dioses

. 2014 começa na porrada de...

. nelson luiz

. cubahia

. semente

. outro brasil

. vida

.arquivos

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Janeiro 2014

. Outubro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

.tags

. todas as tags

.favoritos

. Carioca de (al)gema!

. Graffitis - Discussão

. Rua da Feira

. Tropecei na rede #003

.links

.mim é índio com negro com branco

blogs SAPO

.subscrever feeds